domingo, 27 de abril de 2014

Ficções, de Jorge Luis Borges


Ler um conto fantástico de Borges é como ler um grande autor como Dostoiévski pela primeira vez: uma experiência única. O alto padrão de sua escrita combinado com o teor intelectual e filosófico de seus contos conferem-lhe um estilo insólito primoroso, digno de grandes escritores.

Ficciones (1934-1944) é obra-prima de Borges, pois deu fama internacional a seu autor e marcou para sempre gerações de leitores no mundo todo. Esse grande livro reúne contos fantásticos cuja crítica especializada tem encontrado dificuldades nas análises interpretativas, múltiplas em cada caso.

Além de sua forte inspiração em Kafta, o que rendeu ao escritor ser um dos grandes nomes na literatura fantástica, a novidade do conto borginiano está na moderna conjunção de arte e pensamento.

Jorge Luis Borges, poeta douto, reflexivo e crítico, abomina o romance psicológico, é uma espécie de anti-Proust, um escritor absolutamente não confessional. Ele soube “ritmar o próprio pensamento dando expressão artística a uma constante reflexão sobre a literatura e a certas generalizações abstratas sobre o universo”[1].

A figura do Narrador, onipresente em suas narrativas, transforma a matriz do conto literário que ele, articuladamente, trabalha. Em “Tlön, Uqbar, Orbis Tertius”, o Narrador, ao longo do texto, joga com elementos ambíguos da ficção e da realidade, a ponto de direcionar o leitor a Sua perspectiva, muitas vezes falaciosa e abstrata, sustentada por argumentos conjeturais.

Como no excelente “A morte e a bússola”, Borges demonstrava também gostar de narrativas de aventura e policiais, porém com um particularidade: modifica substancialmente esses gêneros “pelo teor de perquirição filosófica e explicitação irônica do jogo intelectual que neles introduz”[2].

Não há como dispensar a contribuição do conto filosófico de Voltaire na formação de Borges. Neste tipo de conto predomina uma dualidade: de um lado, o plano da história (em que prestamos atenção no destino dos personagens), do outro, o plano do discurso (em que nos fixamos nas idéias do narrador em sua destreza em exprimi-las). Na verdade, essa dicotomia é latente em toda narrativa, mas aflora no conto filosófico pelo papel sobressalente que se atribui ao narrador. Este tenta impor sua visão de mundo intelectualizada e fantasiosa, às vezes beirando a sátira.

Apreciei muito a leitura de Ficções – apesar da edição da Editora Globo não merecer tantos elogios, com graves erros de revisão e tipográficos –, sobretudo pelo caráter extremamente universal de cada conto. É como se cada estória existisse além da História, desarraigada do tempo e espaço, autônoma em relação à realidade; sua metafísica transcende. Um livro para todas as gerações.

(Resenha originalmente publicada em fevereiro de 2008)

Livro: Ficções
Autor: Jorge Luis Borges
Editora: Globo
Ano:  2001


[1] Trecho de Davi Arrigucci Jr no prefácio a terceira edição da Editora Globo, São Paulo, 2001.

[2] Idem

Nenhum comentário:

Postar um comentário